TECIDO NERVOSO

   Conheceremos agora sobre o tecido nervoso, que é responsável por controlar todos os demais tecidos (epitelial conjuntivo e muscular).

      Para facilitar, podemos associar este tipo de tecido com o controle de um videogame.

 

       O que podemos fazer com um controle de videogame?

 

 

       Podemos coordenar todas as ações do jogo e chegar em um objetivo, não é?! Pois bem, assim funciona o nosso tecido nervoso.

 

          Vamos lá para as características gerais?

Características do tecido

 

     

        O tecido nervoso está associado com o sistema nervoso (SN). Este sistema é capaz de integrar todo o nosso corpo nos possibilitando respirar, digerir, excretar e reproduzir. Ele e composto basicamente de dois grupos de células: os neurônios e as células da glia ou gliócitos.

Mas como isso acontece?

      Este tecido é composto por células nervosas denominadas de neurônios, que são capazes de captar as informações do meio e replicá-las a partir de sinais elétricos chamados de impulsos nervosos.

 

Já ouviu falar deles?

 

  Os impulsos nervosos podem ser conduzidos para outros neurônios ou transmitir informações para glândulas ou músculos.

     

      O Sistema Nervoso (SN) dos vertebrados, nos incluindo nessa classificação, é divido em duas partes:

 

 Sistema Nervoso Central (SNC) e o Sistema Nervoso Periférico (SNP)

 

Vamos estudar estes sistemas no corpo humano para facilitar o entendimento.

      O nosso SNC é constituído pelo encéfalo e a medula espinhal. Podemos dizer que ele é o “cérebro” do nosso sistema, ou seja, é ele que integra e processa as informações recebidas ou enviadas para o resto do corpo. Além disso, ele é o sistema responsável pelas emoções, memórias e pensamento. Olha que responsabilidade!!!

 

 

 

       Além disso, o Sistema Nervoso Central apresenta uma variação em sua coloração sendo dividido em:

 

     Substância branca: predominante nas partes centrais, apresenta uma coloração esbranquiçada devido a presença de mielina

 

   Substância cinzenta: formada por corpos de neurônios, dendritos, porção não mielinizadas dos axônios e células da glia. A cor acinzentada condiz a cor das organelas celulares presentes nesta região.

 

 

 

 

     
      Já o SNP é responsável por conduzir as informações entre o SNC e o restante do corpo através dos nervos e gânglios.Vale lembrar que ele se localiza nas periferias.

      O SNP é subdividido em Sistema Nervoso Somático (SNS) e Sistema Nervoso Autônomo (SNA), incluindo no último o sistema nervoso simpático e o parassimpático.

Ficou confuso? Dá uma olhadinha no organograma:

 

 

Vamos falar um pouquinho sobre as células que compõem o tecido nervoso?

      Os neurônios e as células da glia ou gliócitos são como os botões do controle de videogame, que fornecem as informações para o “console”.

 

 

 

        Começaremos pelos neurônios

      Os neurônios são células capazes de receber e transmitir estímulos e possuem baixa capacidade de regeneração, ou seja, não se recompõem após sofrer danos.  Eles possuem algumas regiões:

               Corpo celular: é a região do citoplasma onde se encontram as organelas e o núcleo.

         Dendritos: são ramificações do corpo celular parecidas com raízes de árvores. Eles atuam na recepção de informações vindas de outros neurônios, de células sensoriais ou até mesmo do ambiente e repassam para o corpo celular.

            Axônios: é um prolongamento citoplasmático de um neurônio que conduz a informação do corpo celular até outro neurônio ou célula. Lembram-se dos impulsos nervosos? Pois bem, esses impulsos sempre passam primeiro no corpo celular e depois se direcionam até o axônio.

        Existem tipos de neurônios de acordo com sua forma ou função.

       Vamos detalhar primeiramente os tipos de neurônios pelas suas formas:

      Neurônios unipolares - possuem um corpo celular e um axônio.  Exemplos são as células sensoriais da retina e mucosa olfatória.

   Neurônios bipolares - possuem um dendrito, um corpo celular e um axônio. São frequentes nas estruturas sensoriais ligadas ao olfato, à audição, à visão e ao equilíbrio.

     Neurônios pseudounipolares - possuem um corpo celular e somente um prolongamento, que se divide em dois, sendo um relacionado com o dendrito e o outro ao axônio. Podemos exemplificar pelos neurônios sensitivos da medula espinal, responsáveis pela condução de impulsos nervosos de teto, pressão, calor frio etc.

      Neurônios multipolares - possuem um corpo celular, vários dendritos e um axônio.  São encontrados no encéfalo e na medula espinhal, constituindo a maioria dos neurônios do tecido nervoso.

Olhem eles aqui!!!

Agora, vamos diferenciá-los de acordo com a função que executam:

      Aferentes, sensitivos ou sensoriais: recebem as informações do meio externo, ou seja, do lado de fora do corpo e transmitem para o SNC.

      Eferentes ou motores: Conduz a informação do SNC para algum músculo ou glândula, por exemplo.

     Associativos ou interneurônios: são neurônios de conexão entre vários tipos de neurônios, encontrados no encéfalo e na medula espinhal.

 

 

Fibras nervosas

      Os axônios estão cercados por uma substância lipídica e proteica denominada bainha de mielina que servem como isolantes elétricos. Quando o axônio está envolto dessa substância, recebe o nome de fibras nervosas mielinizadas.

            Obs.: podemos também encontrar fibras nervosas não mielinizadas.

     Mas quem produz essa tal bainha de mielina nos axônios?

   Os oligodendrócitos, também conhecidos como células de Schwan, são as células responsáveis pela produção da bainha de mielina.

 

 

       Como podemos perceber nas ilustrações do neurônio, existem lugares no axônio em que não há a presença de mielina, como se fossem “falhas” de produção, mas muito pelo contrário, essas “ falhas” estão ali propositalmente, formando os nós neurofibrosos.

 

   

    Os impulsos nervosos são propagados por esses nós neurofibrosos caracterizando a condução saltatória, que torna o impulso mais veloz, resultando em rápidas conduções. Não é interessante?!!

 

 

 

E as células da glia ou gliócitos?

     São células que atuam na sustentação, nutrição, proteção e isolamento elétrico dos neurônios.

Existem tipos de células da glia que exercem funções diferentes no tecido, vamos abordá-las abaixo.

 

    Microgliócitos ou micróglia

    Realizam a defesa dos neurônios através da fagocitose de resto de células mortas e de microrganismos. Este tipo de célula é produzido na medula óssea.

      Oligodendrócitos

     Lembram dessas células lá no processo de mielinização do axônio? Pois é... essa é exatamente a função dessas células, formar essa rede de sustentação que envolvem os neurônios.

        Ependimárias

   São as células responsáveis por secretarem o líquido cefalorraquidiano. Esse líquido atua no amortecimento do SNC, em casos de movimentos bruscos, além de nutrir os neurônios.

        Astrócitos

     Realizam o controle da composição iônica e molecular, sustentando os neurônios.

 

Já ouviram falar de nervos?

      Um conjunto de feixes de fibras nervosas envolvidas por tecido conjuntivo que se comunica entre o SNC e as estruturas sensoriais e efetoras são chamados de nervos.

       Os nervos possuem três camadas de tecido conjuntivo: o endoneuro que reveste cada um dos axônios; o perineuro que reveste os feixes de axônios; e o epineuro reveste o nervo inteiro. Observem a figura:

        Nervos sensitivos: Transmitem informações do meio externo e do interior do corpo para o SNC. Possuem apenas fibras sensoriais.

       Nervos motores: Transmitem informações do SNC para os órgãos efetores, como músculo e glândulas. Possuem apenas fibras motoras.

       Nervos mistos: Apresentam tanto fibras sensoriais, quanto fibras motoras, cumprindo a função dos dois tipos de nervos abordados anteriormente.

 

 

E como acontecem os impulsos nervosos?

                        Como esse “controle” do videogame transmite as informações parar o console?

      O impulso nervoso é a propagação de um sinal elétrico percorrido no neurônio. E para entender esse funcionamento, precisamos compreender  como os neurônios funcionam.

 

 

      Os neurônios possuem uma diferença de concentração de íons potássio (K+) e íons de sódio (Na+), ou seja, tem maior concentração de íons de potássio no meio interno e maior concentração de íons de sódio no meio externo. Esse processo é mantido pela bomba sódio-potássio-ATPase  que “empurra” os íons de (K+) para dentro e os íons de Na+ para fora da célula.

 

 

     Quando a célula não recebe impulso elétrico, o lado interno da membrana plasmática apresenta maior concentração de cargas negativas, já o lado externo apresenta maior concentração de cargas positivas. Isso acontece quando a célula está em repouso. Essa diferença na distribuição de cargas elétricas entre as faces da membrana do neurônio em repouso é chamada de potencial de repouso (em média, -70mV) e a membrana é caracterizada como polarizada.

 

 

   Para facilitar o entendimento, analise a imagem abaixo:

 

 

 

 

 

 

 

 

Sinapse

     A Sinapse se refere ao contato entre neurônios ou entre neurônios e outras células efetoras  (musculares e glandulares), sendo responsável pela transmissão em uma única direção dos impulsos nervosos, ou seja, é o processo onde o impulso nervoso é conduzido de uma célula a outra.

 

    Há dois tipos de sinapse:

           Sinapse elétrica, em que realiza a transmissão do impulso nervoso de uma célula para outra através de contato físico das membranas. Podemos encontrar esse tipo de sinapse em células do músculo não estriado e do músculo estriado cardíaco.

            Sinapse química, onde não há contato físico entre as células, porém existe um estreito espaço nomeado de fenda sináptica. Nesta fenda, passam moléculas chamadas de neurotransmissores ou mediadores químicos, que são sintetizados pelos neurônios podendo estimular ou inibir um impulso nervoso.

 

 

      Os neurotransmissores (a adrenalina, noradrenalina, acetilcolina, dopamina e a serotonina) são produzidos pelos neurônios e armazenados em vesículas, como se fossem sacolinhas, que serão fundidas com a membrana do neurônio após o impulso chegar aos botões terminais. Após a fusão das membranas plasmática do neurônio com a membrana da vesícula, ocorre a liberação dos neurotransmissores na fenda que posteriormente se ligam as moléculas receptoras localizadas na membrana plasmática do neurônio seguinte.

 

 

      Os neurônios que liberam as moléculas de neurotransmissores são chamados de pré-sinapticos. Já os que recebem as moléculas são chamados de pós sinápticos.

 

Axônio
Corpo Celular
Dendritos
 
 
 
multipolar
pseudounipolar
bipolar
unipolar
 
 
 
 

Encéfalo

medula espinhal

medula espinhal

Substância Branca

Substância cinzenta

Tipos de neurônios

Tipos de nervos

Imagem do livro: Biologia - ensino médio - coleção ser protagonista 

Encéfalo

Oligodendrócitos
Bainha de mielina
fibra nervosa (axônio)
MIELINA
nós neurofibrosos

Fonte: Blog Aula Passada
Link http://aulapassadapsi.blogspot.com/2013/

Fonte: Revista Brasileira de Ensino de Física
Link http://www.scielo.br/pdf/rbef/v37n2/0102-4744-rbef-37-02-2310.pdf

Siga

@2020 POR MUNDO MICROSCÓPICO - UNESP CAMPOS DO LITORAL PAULISTA - HISTOLOGIA

  • Facebook