TECIDO CONJUNTIVO

 

          O tecido conjuntivo compreende ao tecido de “preenchimento”, ou seja, ele é responsável por “preencher” ou ocupar todos os espaços do organismo. Ele pode ser classificado em diferentes tipos de acordo com suas funções. Tem origem do folheto embrionário mesoderma, que contem células indiferenciadas que darão origem aos diferentes tipos.

Características do tecido

 

Todos os tecidos conjuntivos possuem diversidades de células com matriz extracelular (composta por água, íons, proteínas, nutrientes, e substratos), sendo irrigado e inervado.

Além disso, sua composição está diretamente relacionada às suas funções; mas como?

O tecido conjuntivo propriamente dito possui fibras proteicas elásticas com funções de elasticidade, fibras proteicas colágenas com função de resistência a tração, e fibras proteicas reticulares com função de ligamento entre os tecidos e sustentação, ou seja, é simples:

                                              Função mecânica: Sustentação de tecidos e órgãos;

Função transportadora: Meio de troca de nutrientes;

Função de proteção: Produção de anticorpos e cicatrização.

Fonte: Página Toda Matéria - Link https://www.todamateria.com.br/tecido-conjuntivo/

Tipos de Tecido Conjuntivo

Vamos dividir o tecido conjuntivo em:

 

Tecido Conjuntivo Propriamente Dito (TCPD) + Tecidos Conjuntivos Especiais.

Iniciaremos os estudos detalhando primeiramente o Tecido Conjuntivo Propriamente Dito (TCPD)

Funções:  Suporte de epitélios, vasos, nervos, componentes do tecido muscular, preenchimento de espaços entre tecidos e entre órgãos, proteção e contenção de órgãos, além da formação de tendões e ligamentos.

Se recordam da Matriz extracelular? 

        No TCPD a matriz é composta por alguns tipos de células, fibras (colágenas, reticulares e elásticas) e substância fundamental (mistura hidratada de moléculas).

Agora abordaremos, as classificações do TCPD 

Tecido Conjuntivo Propriamente Dito (TCPD)

 

tcpd frouxo

Contém grupos de fibras dispostas frouxamente, está presente em todas as partes do corpo, está situado abaixo do tecido epitelial e possui pouca matriz .

Funções: Preenchimento de espaços, apoio e nutrição de  células epiteliais, mantém tecidos unidos.

Sobre as células...

Como elas se originam? Já ouviu falar de células totipotentes?

             As células totipotentes estão presentes na medula óssea e são células indiferenciadas, ou seja, ainda sem função definida. Elas se localizam na parte vermelha (medula) dos ossos longos, tais como o fêmur, e possuem grande capacidade de multiplicação e especialização, assim originando outras células. Deu para entender?

           Imaginem crianças que futuramente escolherão as suas profissões... é mais ou menos assim, as células totipotentes surgem e depois "decidem" como e onde atuaram no corpo.

   Após a diferenciação, as células totipotentes podem originar células conjuntivas do tipo:

     Fibroblastos: são células que tem a capacidade de remodelar a matriz extracelular, conferindo resistência e força mecânica ao tecido.

      Macrófagos: são células conhecidas como forma de limpeza do corpo, tendo como função destruir partículas ou microrganismos estranhos, atuando para defesa.

       Mastócitos: são células do tecido conjuntivo, originado de células hematopoiéticas situadas na medula óssea, tem grande importância na defesa de bactérias.

        Adipócitos: são células do tecido adiposo, que armazenam gordura, encontram-se embaixo da pele e em volta de alguns órgãos, fornecendo energia e auxiliando regulando a temperatura coporal.

 

Sobre as fibras...

 

       Colágenas: são as fibras mais frequentes do tecido conjuntivo, formadas por uma proteína chamada colágeno, é a proteína mais abundante do corpo humano, sendo principal constituinte da pele, tendão, osso e parede dos vasos.

 

    Elásticas: compostas por proteínas chamadas elastina, miofibrila, e fibrilina, diferente das fibras colágenas que possuem feixes conectados, as elásticas são caracterizadas por serem separadas umas das outras.

     Reticulares: são, entre as fibras, as de menor espessura, formadas por reticulina, uma substância proteica. As fibras reticulares podem formas redes ligando o TCPD a tecidos vizinhos.

 

 

 

Agora vamos para os tipos de Tecidos Conjuntivos Especiais:

Tecidos Conjuntivos Especiais

 

Tecido Adiposo

     Funções: proteção do corpo e órgãos internos contra impactos mecânicos, Armazenar energia em forma de triglicerídeos e Produção de hormônio.

   Características: O tecido adiposo se localiza em uma camada abaixo do Epitélio, do tecido epitelial, chamada Hipoderme. O tecido adiposo tem origem Mesenquimal (Células indiferenciadas), sendo não muito irrigado, com a presença de nervos e outras células residentes. É esse tecido que quando sentimos frio, tenta nos proteger e fornecer calor para nos manter aquecidos. Apresenta apenas duas células especializadas, os Adipócitos Unilocular e Multilocular.

    Composição: Matriz extracelular orgânica: Possui pouca matriz extracelular composta principalmente por uma pequena rede delgada de Fibras Reticulares formada por colágenos tipo lll.

       Células: 

 

Adipócito Unilocular: Os adipócitos uniloculares originalmente são esféricos, porém podem apresentar-se na forma poligonal devido a deformação mútua causada pelo aumento do seu volume e posterior pressão. Estes possuem em seu interior apenas uma única e grande inclusão de lipídeo em seu citoplasma e têm como função principal armazenar energia (em forma de triglicerídeos) quando ocorre um aumento na ingestão de calorias, e fornecer energia em períodos de jejum ou escassez calórica, além de proteger impactos físicos.

  

Adipócito Multilocular: Os Adipócitos multiloculares recebem seu nome por apresentar em seu citoplasma várias inclusões lipídicas, diferente do unilocular que possui apenas uma. Possuem formatos variados, podendo ser esféricas, poligonais ou fusiformes

  

       Crescimento: o tecido adiposo tem crescimento logo na formação do feto, pois ao nascer o bebê precisa ter uma certa camada de gordura para o proteger dos impactos e do frio que vai enfrentar. Essa camada inicial se distribui em todo corpo, e com o passar do tempo, vai se distribuindo e se depositando em lugares específicos de acordo com a idade e o sexo da pessoa (por exemplo, nas mulheres, o tecido tende a se depositar nos glúteos, seios e quadril, enquanto nos homens tende a se depositar na região abdominal)


 

Abaixo, temos uma imagem microscópica deste tipo de tecido. 

Reparem nos lóculos (gotículas) de gordura em branco

 

Tecido sanguíneo

      Funções:  Transporte de nutrientes, gás oxigênio às células, e também hormônios para os seus locais de atuação. Tem papel importante na defesa do organismo aos agentes estranhos.

 

 

 

      Composição:

 

 

 

 

 

Quanto as células sanguíneas são elas:

 

 

     Hemácias também chamadas de glóbulos vermelhos ou eritrócitos: são estruturas em formas de discos, e achatadas no centro, não possuem núcleo, em seu interior há uma proteína chamada hemoglobina: que por sua vez, dá a cor vermelha ao sangue, além de capturar oxigênio nos pulmões e transportar até as demais células do corpo.

     Leucócitos também conhecidos por glóbulos brancos: são células incolores de formato esférico que atuam na defesa do organismo, contra infecções, doenças, alergias e resfriados.

São subdivididos em dois tipos:

 

     Leucócitos granulosos, possuem o citoplasma composto por grânulos vistos microscopicamente sendo eles: os Neutrófilos, Eosinófilos e Basófilos

 

      Leucócitos agranulosos: não há grânulos em seu citoplasma, sendo:  Monócitos e Linfócitos.

 

    Há também as Plaquetas, chamadas de trombócitos, são fragmentos citoplasmáticos  que atuam na formação de coágulos bloqueando a passagem sanguínea em casos de ferimentos.

 
Plasma
Glóbulos brancos
Glóbulos vermelhos

Tecido ósseo

     Funções: sustentação do corpo, movimentação associado aos músculos, proteção de órgãos internos, reserva de cálcio, sódio, zinco e outros minerais importantes para equilíbrio do organismo, armazenar e proteger a medula óssea (responsável pela produção de células sanguíneas).

 

 

    Características: é um tecido de rígido, muito irrigado, é dividido em tecido ósseo esponjoso e tecido ósseo compacto. Tanto o esponjoso, quanto o compacto, possuem a mesma composição, alterando apenas a densidade, onde o esponjoso apresenta densidade menor, em que é possível observar as trabéculas e o tecido ósseo compacto se apresenta mais denso, não sendo possível observar as trabéculas.

O tecido ósseo é revestido por um tecido conjuntivo denso chamado de pericôndrio, importante para a proteção do tecido ósseo e para regeneração em casos de fraturas. O pericôndrio é rico em células mesenquimais (células indiferenciadas que podem se tornar quaisquer células, como os osteoblastos).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

   

 

 

Composição: Matriz extracelular orgânica: composta principalmente por colágenos e proteínas para nutrição do tecido ósseo, como os proteoglicanos e glicosaminoglicanos.

Matriz extracelular inorgânica: composta por minerais e principalmente o cálcio e o fosforo.  A deficiência do cálcio e fosforo no tecido ósseo torna o tecido “flexível/mole”.

     

Células:  

   Osteoclasto: célula grande e multinucleada, rica em lisossomos, responsável pela absorção do tecido ósseo. Importante na regeneração do tecido ósseo, retirando as células velhas para que sejam repostas pelos osteoblastos. Localiza-se na periferia do tecido ósseo e podem ser identificadas observando os vários núcleos.

    Osteoblasto: célula de formato cúbico, com um núcleo, rica em ribossomos, produtora de tecido ósseo, além de produzir colágeno e proteínas para nutrição do tecido ósseo. Localiza-se na periferia do tecido ósseo e ficam enfileiradas.

   

    Osteócito: célula pequena e fina, com um núcleo, apresentando projeções de membranas e junções comunicantes (ligação entre duas células, para troca de nutrientes) entre elas para manutenção e nutrição do tecido ósseo. Localiza-se nos canalículos e se comunicam através das projeções e junções comunicantes.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

     Crescimento: o tecido ósseo tem crescimento endocondral, onde o tecido cartilaginoso é gradativamente substituído pelo tecido ósseo, e o crescimento intramembranoso, onde o tecido conjuntivo é gradativamente substituído pelo tecido ósseo.

Tecido Cartilaginoso

 

      Funções: sustentação do corpo, revestir as superfícies das articulações (região de contato entre dois ossos, como joelho), atuando como material de amortecimento e evitando que os ossos passem por certos traumas ou choques mecânicos, e de participar do processo de formação de certos ossos.

    Características: possui uma consistência firme e flexível, formado por uma grande parte de matriz celular, com consistência mais rígida que o do tecido conjuntivo propriamente dito e é desprovido de vasos sanguíneos, vasos linfáticos e nervos. É dividido em três tipos: cartilagem hialina, cartilagem elástica e cartilagem fibrosa.

       Na hialina, a proteína colágena forma fibrilas colágenas (que não chegam a ser fibras) fazendo com que se espalhem mais pela matriz. Na elástica, a matriz celular contém muito material elástico e fibras elásticas, fazendo com que sejam mais elásticas e resistentes do que a cartilagem hialina. Já a cartilagem fibrosa é formada por células enfileiradas em uma matriz extracelular repleta de fibras colágenas paralelas de diâmetro variável; o que lhe traz uma enorme resistência.

 

      Composição: Matriz extracelular (MEC): com alta especialização, a matriz extracelular não possui nervos ou vasos linfáticos, ficando livres para servir de trajeto de difusão de substâncias entre os vasos sanguíneos do tecido conjuntivo circundante e os condrócitos.

    Pericôndrio: assim como no tecido ósseo, o pericôndrio se faz presente aqui, recobrindo o tecido cartilaginoso, nutrindo os condrócitos e condroblastos por meio de difusão.

       Condrócitos: São as células (citos) da cartilagem (condros) já mais adulta. Estão isolados em pequenas cavidades no tecido. Esses arranjos de lacunas são denominados grupos isogênicos ou condroblastos, caracterizando assim o tecido cartilaginoso.

    Condroblastos: do grego chondros (cartilagem) e blastos (“célula jovem”), eles produzem as fibras colágenas e a matriz, com consistência de borracha.

       Lacunas: são pequenas cavidades onde os condrócitos ficam armazenados.

Grupo Isogênico: grupos de até 32 células,que são originadas de um único condrócito. Encontra-se mais profundamente no tecido,em relação ao pericôndrio.

 
 

Fonte: Página Histologia Nerd - Linkhttp://histologianerd.blogspot.com/2013/04/tecidos-osseos-esponjoso-e-compacto.html

osteoblasto
osteócito
osteoclasto

Cartilagem Hialina

Siga

@2020 POR MUNDO MICROSCÓPICO - UNESP CAMPOS DO LITORAL PAULISTA - HISTOLOGIA

  • Facebook